sábado, 14 de março de 2015

Animal Planta?!

Olá alunos, boa tarde!
Tudo bem neste fim de semana?!
Bom, nas aulas desta semana que passou sitei sobre esse ser vivo e agora posto um pouco mais detalhado sobre ele. Vale a pena ler!

Elysia chlorotica - lesma do mar que realiza fotossíntese

Lesma marinha adquire capacidade de fazer fotossíntese depois de comer alga verde.


Elysia chlorotica é uma pequena lesma do mar verde (molusco, gastrópoda), devido a presença de clorofila, que habita principalmente a costa norte-americana, que se estende desde a costa da Nova Escócia ao sul da Flórida. Este molusco se tornou conhecido por ser o primeiro animal conhecido que mostrou a capacidade de produzir clorofila e fazer fotossíntese depois de se alimentar da alga Vaucheria litorea e roubar-lhe as organelas necessárias para fazer a fotossíntese. Este procedimento não é passado de geração em geração, ou seja, para que a Elysia chlorotica consiga realizar a fotossíntese é necessário que ela se alimente da Vaucheria litorea e roube-lhe os cloroplastos através de um processo conhecido como cleptoplastia1.

Distribuição

Elysia chlorotica pode ser encontrada ao longo da costa leste dos Estados Unidos e em algumas partes da Nova Escócia e do Canadá, em regiões de pântano.

Descrição

Um adulto da espécie Elysia chlorotica é geralmente de cor verde brilhante, devido ao seu hibridismo. No entanto, podem ser avermelhados ou de cor acinzentada, dependendo da quantidade de clorofila nas glândulas digestivas, que se ramificam por todo o seu corpo. A espécie pode crescer até chegar aos 60 milímetros de comprimento, mas normalmente crescem até 30 milímetros.

Alimentação

Elysia chlorotica alimenta-se de algas Vaucheria litoreaA lesma mantém o alimento firme em sua boca e suga seu conteúdo. Ela mantém os cloroplastos ilesos, armazenando-os dentro de células de seu extenso sistema digestivo. A aquisição dos cloroplastos por meio da alimentação ocorre logo após a metamorfose. Lesmas juvenis apresentam coloração marrom com manchas vermelhas até que ingiram as algas, ocasião em que ficam verdes. A lesma precisa continuamente se alimentar de algas para reter os cloroplastos, mas ao longo do tempo esses plastídeos se tornam mais estáveis, incorporando-se às células do sistema digestivo.
A incorporação dos cloroplastos dentro das células da Elysia chlorotica permite à lesma realizar fotossíntese. Isto é benéfico para ela porque há certos períodos em que a alga não está disponível em quantidade suficiente no ambiente para uma alimentação adequada. A Elysia chlorotica pode sobreviver meses somente com os açúcares produzidos através da fotossíntese realizada por seus próprios cloroplastos.
Reprodução

A espécie é hermafrodita, mas a auto-fecundação não é comum.
Referências

  • Solar-powered sea slug harnesses stolen plant genes, artigo em inglês do NewsScientist explicando sobre o animal.
  • A Database of Western Atlantic Marine Mollusca , banco de dados em inglês dedicado a moluscos marinhos ocidentais.
  • Symbio , artigo em inglês.
  • Sea Slug Forum. , artigo em inglês.
Vocabulário:
Cleptoplastia ou cleptoplastidia é um fenômeno simbiótico onde plastídeos de algas são “sequestrados” por organismos hospedeiros. A alga é consumida normalmente e parcialmente digerida, deixando o plastídeo intacto. Os plastídeos são mantidos dentro do hospedeiro, temporariamente, permitindo  a função de fotossíntese para uso do predador. O termo foi cunhado em 1990 para descrever simbiose de cloroplastos.
Fonte: Wikipédia


0 comentários:

Postar um comentário